Policlínica inaugurada por Clécio não tem estrutura para atender a população

Pará

Em 31 de dezembro o ex-prefeito inaugurou o prédio e divulgou que 98% da obra estava concluída, no entanto, durante a visita do prefeito Furlan, acompanhada pela equipe do A Gazeta, constatou-se que a informação não é verdadeira.

Em 31 de dezembro o ex-prefeito inaugurou o prédio e divulgou que 98% da obra estava concluída, no entanto, durante a visita do prefeito Furlan, acompanhada pela equipe do A Gazeta, constatou-se que a informação não é verdadeira.

Foto: Jornal A Gazeta

Em 31 de dezembro o ex-prefeito inaugurou o prédio e divulgou que 98% da obra estava concluída, no entanto, durante a visita do prefeito Furlan, acompanhada pela equipe do A Gazeta, constatou-se que a informação não é verdadeira.

 O prefeito Dr. Furlan conheceu os espaços e avaliou o andamento da obra. Após a inspeção, Dr. Furlan falou sobre os serviços que ainda faltam ser concluídos.

 



"Nós visitamos toda a Policlínica e constatamos que, por hora, o espaço não tem como funcionar. Falta terminar os serviços da parte elétrica, acabamento, além de capacitação de equipe e recursos humanos", pontuou o prefeito.

Dr. Furlan também anunciou que irá criar uma comissão técnica para resolver as demandas do espaço e fazer acompanhamento de todas as etapas que ainda serão concluídas, como o cumprimento de todas as medidas sanitárias para o funcionamento da Policlínica.

"A saúde municipal é nossa prioridade e vamos cumprir todas as etapas para a população receber um serviço de qualidade e excelência.  Prometemos isso na campanha e vamos cumprir durante a gestão", destacou o prefeito.

 Entrega apressada

No dia 31 de dezembro o ex-prefeito de Macapá, Clécio Luiz, fez a inauguração da primeira fase da policlínica e divulgou que a obra estava 98% concluída, no entanto, durante a visita do prefeito Furlan, acompanhada pela equipe do A Gazeta, constatou-se que a informação não é verdadeira.


 Faltam portas e janelas, a energia é provisória, os equipamentos não foram instalados, não tem laudo do corpo de bombeiros e nem da vigilância sanitária. Não existe o mínimo de estrutura para que o prédio realmente possa ser utilizado em benefício da população.

 Policlínica Dr. Papaléo Paes

A obra custou R$ 6.683.697,26, proveniente de recurso federal do Fundo Nacional de Saúde e com contrapartida do Município, no valor de R$ 2 milhões.

A Policlínica abrange uma área de 5.181,28 m², e contará com centro de consultas especializadas, central de regulação de consultas, centro de diagnóstico, central de exames ultrassonográficos, centro cardiológico, centro de especialidades odontológicas, farmácia especializada, centro de referência municipal de imunobiológicos especiais, centro oftalmológico, auditório, centro administrativo e área de circulação.

Dentro dos centros especializados terão atendimentos para ortopedias, urologia, dermatologia, endocrinologia , gastroentereologia, assistência social , nutrição, geriatria, reumatlogia, pneumologia , neurologia, ginecologia, tomografia, sala  de raio x, consultório de ultrassonografia, cardiologia, holter , ecocardiograma, teste ergométrico, mamografia, endoscopia, recuperação anestésica, consultórios odontológicos especializados e consultórios oftalmológicos.

O espaço tem três andares, dois elevadores, sendo que o terceiro será o centro administrativo com sala de audiovisual, auditório, espaços de formação continuada, administração e gestão da policlínica.


Fonte: A Gazeta do Amapá